A Lacticínios de Azeméis, fabricante de queijos e manteigas da marca Universal, investe mais de 5 milhões de euros até final de 2018 na modernização das instalações e aumento da produção.

Uma componente significativa do investimento é dedicada à reabilitação da unidade fabril, em Oliveira de Azeméis. A área produtiva ficará concluída no final do ano, correspondendo à primeira fase de intervenção do projeto.

A intervenção na fábrica prevê a instalação de equipamentos de elevada eficiência energética, instalação de grupo de geração de energia solar e eólica, melhoria de revestimentos térmicos, acústico e estéticos, compartimentação de sectores e reformulação das instalações de águas, AVAC e eletricidade.

A reconhecida marca de produtos lácteos tradicionais, tem inovado o fabrico do queijo, o seu produto de maior valor acrescentado.

No final da década de oitenta, a empresa também investiu num projeto de ampliação, de renovação e de modernização de instalações e equipamentos, de modo a relançar a marca num mercado cada vez mais aberto e concorrencial.

A Lacticínios de Azeméis nasce através da associação de onze pequenos produtores de manteiga da zona de Oliveira de Azeméis.

A sociedade é constituída em 30 de dezembro de 1940, com um capital de cerca de 1260 euros, e entra em funcionamento a 1 de abril do ano seguinte.

Durante dois anos, a manteiga é o único produto.

O processo de fabrico é manual, assim como a embalagem e a pesagem. Instalações de frio não existem, mas há os poços que são bons para a maturação das natas e da manteiga.

Embrulhada em pacotes de papel vegetal de 125g e 250g, esta manteiga dá prestígio à empresa e vai-se tornando indispensável nas melhores pastelarias e charcutarias de Lisboa.

A construção da primeira unidade industrial da empresa, acontece em 1941, na freguesia de Travanca, frente à antiga estrada nacional nº 1 Lisboa-Porto.

É aí que a Lacticínios de Azeméis cresce e se desenvolve, nunca perdendo o seu cariz familiar.