REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES
NA LEGISLAÇÃO LABORAL

Posição proferida pelo Presidente da AIP, José Eduardo Carvalho, no decorrer da sua intervenção na Sessão Comemorativa dos 186 anos da AIP, em Lisboa, no dia 28 de março de 2023.

“(…) Estamos a viver a 2ª fase de uma revolução tecnológica provocada pelas TIC em que o progresso tecnológico reside na inteligência artificial. Tal como as anteriores, esta provoca implicações:

- Estrutura produtiva
- Modelos de negócio
- Formas de organização de trabalho

A forma como os países adaptam o mercado laboral a esta revolução tecnológica influência os seus níveis de crescimento e desenvolvimento.

Os que lideram ou melhor se adaptaram a esta rutura, foram os que flexibilizaram a contratação e o despedimento, ou que conseguiram conciliar esta equação com a segurança no percurso profissional. Os outros estão a ficar para trás.

Todos comungam que não há economia do conhecimento:

- Sem a inovação estar presente na gestão operacional das empresas
- Sem uma educação com forte componente empreendedora
- Sem universidades com uma cultura de investigação de produto, transferindo conhecimento para o mercado.

Mas evitamos afirmar que não entraremos na economia do conhecimento sem flexibilidade e mobilidade no mercado de trabalho. (…)”