Muralha de Alfama, an emblematic Portuguese gastronomy restaurant in Lisbon, managed by Paulo Machado and an AIP associate, has just launched another new product, under its own brand, which contributes to reducing the carbon footprint by avoiding around 300 plastic bottles of 0.5L per week.

“The ‘Purified Water A Muralha’ is a new concept and challenge”, but more importantly it is an environmentally friendly way of thinking that guarantees safety and quality to our customers”, underlines the entrepreneur.

Privileged restaurant space, located in the heart of Alfama, on Rua Jardim do Tabaco and close to the Fado Museum, offering traditional cuisine, made from the best fresh products, but also a home for fado friends, be they guitarists, violists, singers and singers, fadistas and scholars, or apprentices and masters in the universe of Lisbon's most popular urban song.

The Muralha de Alfama, which has a team of eight employees, comprises a restaurant and a typical tavern that displays a selection of more than 120 quality wines served by the glass, considered the largest in mainland Portugal and the islands.

In addition to ‘Agua Purificado A Muralha’, available in a glass bottle, other products from the brand had already been born, such as artisanal beer with a slight hint of ginger and green wine.


Investiu em Alfama com mais de 20 postos de trabalho

Empreendedor  e empresário de Alfama, Paulo Machado começou a trabalhar com 13 anos num talho do bairro. Quando atingiu a maior idade, em 1999, estreou-se no mundo dos negócios, por sua conta e risco, ao abrir o conhecido Talho do Chafariz, na Rua dos Remédios, –  hoje administrado pelo primo Celso Carrera –, firma que geriu até 2010, altura em que criou a marca “A Muralha de Alfama”, com prova do alvará de licença para restaurante, datado de 1929.

Tendo como objectivo primordial o investimento em Alfama, o empresário salienta a criação de mais de 20 postos de trabalho durante cerca de duas décadas, bem como o facto de ter conseguido enfrentar os desafios que se colocam ao sector e à economia local, “com imaginação, inovação, muito trabalho, formação profissional na AIP e recorrendo a parcerias, nomeadamente no sector vitivinícola”.


Pandemia não abalou A Muralha

“Resistir e nunca parar numa altura de crise”, diz Paulo Machado, como a provocada pela pandemia Covid19, é a sua “palavra de ordem” para combater as dificuldades com que se tem debatido o sector.

Foi assim, com este propósito, que o empresário se manteve, acompanhado pelos seus trabalhadores, à tona da pandemia: “Estudei, lancei novos produtos como o vinho verde, e gravei um CD de fado. Cumpri sempre as minhas obrigações com a equipa e as autoridades. Não paramos. Quando a restauração reabriu, voltei a ter casa cheia e assim é todos os dias em que estamos abertos. A receita? Nunca desistir do nosso negócio, para nunca desaparecer do pensamento do cliente.”