A Informa D&B acaba de publicar três estudos: “As Empresas Mais Velozes/Empresas de Crescimento Elevado (ECE) 2012-2015 – Retrato do Tecido Empresarial/Julho 2017”; “Empreendedorismo em Portugal – Retrato do Tecido Empresarial/Maio 2017” e “Barómetro Informa/Nascimentos, Encerramentos e Insolvências no Universo de Empresas e Outras Organizações – Sumário Executivo/1.º Semestre 2017”.

O número de Empresas de Crescimento Elevado (ECE) aumentou pelo terceiro ano consecutivo, entre 2012-2015. Ultrapassaram os 86 mil postos de trabalho, o valor mais alto desde 2006.

Há mais empresas com vocação exportadora, e nas indústrias transformadoras, deixando os Serviços em segundo lugar.

A esmagadora maioria de ECE continua a ser de pequena dimensão e tem entre seis e 19 anos. O Norte reforça a liderança em número de ECE e Lisboa mantém-se como a região onde estas empresas criam mais emprego.

Portugueses mais empreendedores

O melhor ano para o empreendedorismo em Portugal foi o de 2015, com o maior número de constituições de novas empresas desde 2007.

Há mais iniciativas individuais e de menor dimensão. As start ups têm um perfil mais exportador. Existem também alterações nos sectores e regiões, com o Alojamento, a restauração e as Atividades imobiliárias a ganharem relevância na dinâmica empreendedora e a região de Lisboa a ultrapassar o Norte.

Mais empresas a nascer e menos a encerrar no primeiro semestre

No primeiro semestre de 2017 foram constituídas 21 749 entidades, encerraram 6 620 e 1 406 iniciaram processos de insolvência. Por comparação com o período homólogo do ano passado, os nascimentos de empresas subiram, ainda que revelando uma evolução irregular durante o período, e não homogénea nos vários sectores e regiões em análise. Os encerramentos diminuíram, registando um decréscimo mais pronunciado em junho. Nas insolvências, manteve-se o ciclo de descida, iniciado em 2013, ano em que se inverteu o comportamento deste indicador.