“Estamos empenhados em alterar os 76 por cento de exportações e 75 por cento de importações concentrados nos mercados da União Europeia. Daí a importância do incremento das relações comerciais com os países ibero-americanos. O Peru é o país sul americano que mais cresceu nos últimos vinte anos e que apresenta uma inflação controlada. Temos fortes expectativas que a visita do Presidente Martín Vizcarra poderá constituir uma marca na evolução nas relações comerciais entre os dois países. Acreditamos que as posições 72 e 71, como cliente e como fornecedor de Portugal serão brevemente alteradas”. Assim vaticinou José Eduardo Carvalho, presidente da AIP, o futuro das relações comerciais entre os dois países, no Fórum Empresarial Portugal Peru, que decorreu na sede da associação, no dia 26 de fevereiro, e que contou com a presença do Presidente da República do Peru e sua comitiva e cerca de 120 empresários portugueses e peruanos.

O presidente da AIP adiantou que, atualmente, “Portugal exporta 1,6 mil milhões de euros e importa 2,2 mil milhões de euros para os países ibero-americanos. Mas Brasil, México e Chile concentram 81 por cento das exportações para aqueles mercados”.

Registando “o esforço assinalável que tem sido feito para reorientar a economia para o setor exportador”, José Eduardo carvalho assegurou que “a cooperação das empresas com a política pública tem sido um sucesso e neste caso temos de realçar o papel que o secretário de Estado Eurico Brilhante Dias tem tido”.

Dirigindo-se a Martín Vizcarra e aos empresários peruanos, o presidente da AIP descreveu o atual momento da economia portuguesa: “o PIB cresce há cinco anos consecutivos. O desemprego baixou para níveis anteriores ao período do resgate. A balança comercial e de serviços apresenta saldos superavitários. As contas públicas estão controladas, embora desejássemos ter a dívida pública e a dívida externa iguais às do Peru”, presentemente em 25 por cento do PIB.