Após um período de entrega dos desafios colocados por 50 PME, decorreu, dia 13 de outubro, o primeiro encontro promovido pela iniciativa Crossideas. Envolveu reuniões entre representantes das PME e investigadores dos 14 Centros de Investigação da FCT NOVA, nas quais foram apresentados, em detalhe, os desafios previamente colocados pelas PME. Esta aproximação entre as empresas e o mundo académico tem por objetivo contribuir, através de uma colaboração em projetos concretos, para uma economia mais eficaz e eficiente. Subordinada aos temas "Economia Circular", "Transição Energética" e "Adaptação às Alterações Climáticas" a iniciativa, organizada pelo Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente  (DCEA) da FCT NOVA  em parceria com a AIP, proporcionou a assinatura de memorandos de entendimento para colaborações futuras.

O painel da manhã contou com intervenções de Virgílio da Cruz Machado, Diretor FCT NOVA, Fernanda Ferreira Dias, Diretora-geral DGAE e Ana Daam, da APA.

Da parte da tarde, decorreu a mesa redonda sobre “Financiamento à Inovação para PME” que contou com a participação de Diana Rodrigues, Climate KIC, Cristina Gouveia, SME Instrument (Agência Nacional de Inovação-ANI), Alexandra Alvarez, EEN-Portugal (IAPMEI). Teresa Dias, da Direção de Economia e Inovação da AIP, e Júlia Seixas, Climate KIC encerraram o encontro.

De acordo com Teresa Dias, “a participação no Crossideas permitiu às empresas encontrar equipas multidisciplinares dedicadas e com know-how adequado que vão ajudar a transformar os seus desafios quotidianos em produtos e serviços inovadores e em formas de trabalho mais sustentáveis, eficientes e competitivas. Os desafios apresentados nas três áreas de intervenção do projeto demonstram, de forma muito positiva, o potencial de inovação das PME. As empresas apresentaram-se bastante motivadas com os seus projetos e equipas de investigadores, fator que irá certamente contribuir para o sucesso desta intervenção.”

Esta iniciativa é co-financiada pelo EIT Climate-KIC  e tem a AIP como parceira. Recebe o apoio institucional da Agência Portuguesa do Ambiente e da Direção Geral das Actividades Económicas.