FAQ
  • O que é a Cooperação?

    A cooperação consiste num acordo que institui alianças estratégicas, as quais permitem aos diferentes atores, não só reduzir a incerteza e turbulência dos mercados, mas também conjugar vantagens, numa ótica em que o benefício global é superior ao da ação individual.

    A cooperação pode ter um carácter temporal, indefinido ou limitado, ou seja, uma vez atingidos os objetivos poder-se-á por fim à colaboração.

    Autoria: INTELI - Inteligência em Inovação
  • O que é uma rede de Cooperação?

    Uma rede de cooperação é um dos instrumentos de otimização da interação dos intervenientes no funcionamento no mercado. Por outras palavras, uma rede de cooperação está associada ao processo de gestão da atividade desenvolvida entre os vários intervenientes, com o intuito de otimização de recursos. Num contexto de cooperação em rede, tanto informal, como formal, as atividades são levadas a cabo numa lógica de sistema, através de uma dinâmica gerida e induzida pelos diversos atores, tendo como base a complementaridade das competências e recursos. Assim, uma rede de cooperação engloba a atividade, ou conjunto de atividades, desenvolvidas por um conjunto de intervenientes onde determinados recursos são partilhados, com vista à otimização dos resultados e com retorno para todos os intervenientes.

    Autoria: INTELI - Inteligência em Inovação

  • Quais são as principais causas de conflito ou de fracasso numa rede de Cooperação?

    Existem diversas razões que explicam um eventual fracasso das redes de cooperação. Conhecer as suas causas é um requisito prévio, para determinar as melhores condições para a celebração dum acordo de cooperação. Na generalidade, as dificuldades ou problemas com maior expressão, no estabelecimento dum acordo de cooperação são:

    • Incompatibilidade entre os atores, nomeadamente, ao nível das filosofias de gestão, do entendimento e planeamento sobre os critérios de   êxito, da definição das atividades e  do êxito esperado; • Estabelecimento de acordos em condições forçadas;

    • Indefinição da estratégia e da estrutura de cooperação;

    • Defesa incondicional de posições demasiado restritas;

    • Abusos de poder e perda de autonomia;

    • Supervisão inadequada do funcionamento da cooperação;

    • Controlo ineficaz, da implementação das ações e do funcionamento das estruturas;

    • Não tratar detalhadamente os aspetos da transferência de tecnologia e informação entre os atores.

    Autoria: INTELI - Inteligência em Inovação
  • Quais são as condições para assegurar o êxito duma rede de Cooperação?

    Ao nível da negociação do acordo de cooperação:

    • Integrar os acordos de cooperação na estratégia global da empresa;

    • Definir, claramente, as motivações e os objetivos de cada ator da rede de cooperação;

    • Sustentar o processo de cooperação nos pontos fortes de cada ator e não nos seus pontos fracos;

    • Assegurar a complementaridade de recursos e/ou conhecimentos;

    • Selecionar os intervenientes de forma adequada;

    • Garantir uma definição, clara e precisa, da divisão de poderes, dos resultados e da tomada de decisões.

    Ao nível operacional da rede de cooperação:

    • Criar uma estrutura operacional de funcionamento, adequada às finalidades da rede de cooperação e à capacidade de cada ator;

    • Garantir a existência de mecanismos de controlo e de execução, práticos mas eficazes;

    • Flexibilizar as estruturas e os fluxos de informação e de concertação.  

    Recomendações ao nível do funcionamento da rede de cooperação:

    • Elaborar um plano das ações no tempo;

    • Nomear os responsáveis pela coordenação;

    • Garantir uma gestão, quanto possível, autónoma e dinâmica;

    • Assegurar, continuamente, a assistência e o apoio material, à filosofia e aos princípios da rede de cooperação e à persecução dos seus objetivos;

    • Prever a revisão do funcionamento e das operações da cooperação, de forma periódica. Assim como a redefinição das estratégias, sempre que se alterar alguns dos seus princípios básicos;

    • Prevenir os casos de dissolução, determinando a sua forma e o seu alcance.

    Autoria: INTELI - Inteligência em Inovação

  • O que é um cluster? O que o distingue de uma Dinâmica de Cooperação?

    De acordo com Porter (1990), um cluster “é formado por empresas e sectores ligados, através de relações verticais (cliente–fornecedor) e horizontais (tecnologia), numa determinada região”, sendo que “a concentração geográfica dos rivais, clientes e fornecedores promove a inovação e a competitividade do cluster”.

    As dinâmicas de cooperação, são compostas pelas sinergias que se desenvolvem, entre diferentes atores locais, integrados em lógicas de cooperação em rede, que se perpetuam no tempo e relacionam entre si.

    Estudo das oportunidades detetadas, implementação das atividades em cooperação e design.

    Autoria: INTELI - Inteligência em Inovação

  • O que se entende por um Promotor? Facilitador da Cooperação?

    Um promotor–facilitador é alguém, que pelas suas competências e capacidades, apoia um grupo de atores a cooperarem entre si. Focalizando-se no processo, de como podem os atores trabalhar juntos, o promotor –facilitador visa a otimização dos modelos de cooperação em rede. Este não deve ter autoridade, para impor qualquer tipo de ação na rede de cooperação e não deve ter qualquer tipo de interesse nos resultados a obter. Trata-se dum indivíduo, que potencia a endogeneização de técnicas de gestão e avaliação empresarial, por parte dos atores na rede de cooperação.

    Autoria: INTELI - Inteligência em Inovação